Palavras soltas, traduzindo pensamentos, sentimentos, desejos e insanidades...

O meu ser desorganizado, unindo tudo aquilo que deveria, mas ainda não é, ou tudo o que é, mas aliado a insensatez do ser, apenas existe...

Um espaço meu que divido com todos aqueles que não se contentam em apenas ser...

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Inconformada, indignada, chateada, desiludida

Fim





E ele se foi...
Levando com ele as noites felizes,
os sonhos de amor
as lembranças de algo que já nem sei se vivi...
Levou minha esperança, minha vontade
meus desejos que embora adormecidos
continuavam a iluminar meu quarto vazio...
Agora acabou
e na verdade somente para mim... 
para você nunca existiu...
NM

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Mais uma...





E lá estava ela...
Era a quarta vez que iria sair com ele... meio sem vontade, era nítido que não combinavam, que algo estava errado por ali...
Como no filme a princesa e o plebeu, mas trocando os papéis, ela com sua simplicidade e grandeza de ver a vida assim e ele na sua soberana pick up, mostrando as fotos de seu Mustang que chegaria em umas 3 semanas...
Mas enfim, ela estava disposta a tentar... e ele também...
Foram para um restaurante, a noite seria longa, planejavam sair, dançar, conversar e quem sabe mais o que poderiam experimentar naquela noite...
Ela não acreditava muito que poderia se apaixonar, seus beijos não faziam ela levitar, como sentia quando realmente estava para se apaixonar... mas mesmo assim, estava disposta a tentar...
Chegaram ao restaurante, ele comia e tomava um suco, ela pediu uma vodka, como sempre... durante a conversa ela mencionou sobre seus sobrinhos, pois havia passado o dia com eles... durante a conversa, ele menciona que não deseja ter filhos, que crianças são "sugadoras de energia" e ele não pretende ter esses "seres" invadindo sua vida... e fala...
"Como você consegue, a tarde inteira???"
e ela sutilmente responde...
"Estou acostumada, tenho dois..."
como em filme de comédia, ele acabara de colocar mais uma porção de seu delicioso jantar na boca, e de repente... pfuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu
A comida voou, ele engasgou e perguntou...
"Dois o quê????????"
ela com o sorriso irônico, esperando que essa resposta fizesse com que ele sumisse dali...
"Ueh, dois filhos, lindos, fui casada nove anos..."
O jantar que aparentemente seria arrastado noite a dentro, acabou ali, o moço simpático e disposto perdeu a fome, perdeu a graça e sugeriu irem embora... ela adorando a situação, ria e se divertia com cada atitude...
Deixou ela em casa e disse que ligaria amanhã, mas nunca mais ligou...
Ela não ficou triste, sabia que seus filhos eram mais importantes que qualquer coisa e jamais negaria a existência deles, eles a fazem ser o que é hoje...
Mas, uma de suas amigas resolveu se divertir com a situação e se aproximou... e antes dele falar o primeiro "oi", sua pergunta foi...
"Hum... você tem filhos? Já foi casada???" 
hahhahahhaha
E assim mais essa pessoa passou por sua vida, mas deixando o aprendizado que as coisas mudam sim, mas sua intuição deve ser levada em consideração...
NM

Para vocês meninas





Elas estavam na noite a procura de sorrisos, 
de respostas, de escolhas, de opções...
Não tinham e nem sabiam qual era a fórmula mágica

Encontraram situações adversas,
viveram paixões,
solidões,
amores...

Durante o caminho
não sabiam ao certo o momento de parar
por algumas vezes se perderam,
em outras exageraram com os sentimentos...
chegaram a parar...

Se distanciaram, 
perdidas entre suas duvidas,
receios...
tentaram viver sós...

A vida foi acontecendo
e meio que sem perceber
tudo foi mudando,
se encaixando, sobrando, faltando...

A vida mudou...

Estavam em busca de muito,
mas hoje acreditam que o muito
é feito do pouco mesmo
do momento de cada minuto
Do sorriso e abraço ao final de cada noite

Tudo que procuravam 
estava dentro delas
e hoje sabem disso
mas através dessa busca
encontraram a amizade
com todas suas imperfeições
e aceitações

Hoje sabem que não são perfeitas
que não podem exigir as ações
mas se aceitam e se amam
e vivem... ah, vivem sim...

Amo vocês meninas...

NM

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011


essa sensação de não sei o que, que vem não sei de onde, sabe lá o porque...

amanhã é sabado....

Segura na mão de Deus


Parece piegas... mas acho que a simples frase que ouvimos desde pequeninos, traduz toda a esperança que precisamos ter no nosso dia a dia...
Segurar na mão de Deus... mas como??? Onde ela está???
Acho que essa resposta cada um de nós podemos dar...
A mão de Deus pra mim hoje está representada pela minha santa mãezinha, que cuida e zela dos meus pequenos, enquanto eu busco um futuro melhor para nós... está nos meus amigos que não são muitos, nem poucos... são aqueles que Deus usa para chegar até a mim, seja com uma bronca, porque vacilei e me perdi pelo caminho, seja por aquele que me faz chorar de rir e me mostra o quanto é bom ser feliz, ou pelo outro que precisa tanto de mim, que faz eu me sentir uma pessoa melhor a cada dia...
Deus está no sorriso dos meus filhos quando acordam e me dão o bom dia mais sincero que existe, com o abraço e olhar de quem somente ama...
Hoje Deus preciso ainda mais segurar na sua mão... tenho mais um dia pela frente, onde preciso "matar o meu leão" e garantir que o próximo mês seja tranqüilo para mim...
Peço para que eu consiga segurar na sua mão com a tranqüilidade de um bebê que segura o dedo de sua mãe e com a segurança que ele sente no próprio colo da mãe.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011





Era uma menina que acreditava em sonhos...
Acreditava que seus desejos seriam capazes 
de mudar tudo ao redor...


Tinha no olhar o brilho da inocência,
carregava a simplicidade da paixão...
tinha no sangue a sede de vida
Pelo vento espalhava seu canto
traduzindo o que vinha em seu coração.


Sorria para o dia
se encantava com as noites...
sempre quando dormia, sonhava...
em seus sonhos tudo era tão real...


Na primavera, 
a menina 
misturava-se com o perfume 
e a beleza das flores


A menina cresceu
hoje se tornou uma mulher...


Abriu a porta da vida
para conquistar o mundo
E na busca dos seus sonhos
passou a não ver mais as estrelas 


Luta para ainda acreditar...
Sabe que nem todos seus desejos 
serão capazes de mudar o mundo, 
as pessoas


Perdeu o brilho da inocência no olhar 
ganhou sinais de experiência
Trocou o sorriso de bom dia
Passou a não dormir mais a noite...
Tenta sonhar... 
enquanto sente todo o frio que o vento traz.
Já não canta mais...


Hoje não consegue diferenciar
a primavera do inverno
vive em qualquer estação...
já não importa mais...
Deixou de se preocupar com as flores...


Mas para aqueles que a rodeiam
a esperança existe
Esperança que os sonhos de menina
que um dia, ela tanto acreditou
mudem as estrofes,
apaguem as lembranças,
alternem os momentos
e hoje tornem-se reais
para que essa mulher
se transforme em apenas uma menina...


NM


Terapia da mulher moderna... graças ao cartão de crédito... 

depois penso na fatura... 

Meu Jeito

Eu adoro essa música... tem muito haver comigo, e acredito que para você também possa ter...

http://www.youtube.com/watch?v=01GUVNn8UFc



Qual a melhor forma de te alegrar?
Qual o melhor jeito pra te ver feliz?
Como é que eu falo pra não ter que errar?
Como eu aprendo com o que eu nunca fiz?
Eu sei
Que os meus defeitos
São grandes demais
Que eu sempre falto
No que satisfaz
E ainda desafino no final
Eu sei
Que tudo isso tem uma razão
Pra tudo tem que haver a solução
E a minha foi achar você
Vem que eu te espero
E eu quero te dar
Todo o meu medo
Meu jeito de amar

Myllena

Será???

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011


Hoje verdadeiramente estou triste... 

... quero muito que venha o amanhã...

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Dragonfly




"A libélula simboliza ir além das ilusões criadas por nós mesmos que limitam nosso crescimento e mudança. As libélulas são um símbolo de autoconhecimento que vem com maturidade. São voadores fantásticos, rápidos como a luz, torcendo, girando, mudando de direção, mesmo indo para trás demonstram sempre a necessidade de se levantar e recomeçar.
O espírito de libélula significa que você tem que fazer um esforço para expressar suas esperanças, sonhos, necessidades e desejos conscientemente. É a essência dos ventos de mudança. Quando nos enganamos, acreditando que limitações físicas
nos impedem de mudar e crescer, a Libélula nos ensina a atravessarmos
estas ilusões.




Porque a libélula??? Sempre tive um grande fascínio por esse inseto, às vezes até um pouco de medo, pois olhando para ela, tinha a impressão de que ela sempre vivia e voava desgovernada.

Hoje decidi fazer minha segunda tatuagem e para mim, tatuagem tem significado, tem que ter... ao menos para mim... mesmo que eu tenha que adaptar o significado dela um dia, como aconteceu com minhas três estrelas.

Bem, quando li o significado desse ser pequenino, não tive dúvida... eu sou o reflexo da minha alma, em todas as minhas atitudes, vivo assim... e minha alma hoje aos 30 e poucos anos é uma libélula.

Hoje sou e aprecio a mudança, o fim das minhas próprias ilusões. Tento e busco acreditar que tudo posso desde que eu me permita... me permita errar e acertar. Posso voltar atrás, mas não me permito parar. Hoje eu sei que sou capaz de recomeçar e recomeçar... sem jamais desistir daquilo que quero...

Por ser assim, tenho pressa, vôo rápido, gosto da luz, e sei a direção... é certo que por diversas vezes eu me engano, me confundo e me perco, mas aí inicia mais uma sabedoria da libélula, a graça e magia de recomeçar...

Ouvi dizer que a libélula era um dragão e tinha as asas iguais as da libélula, esse dragão era cheio de orgulho e andava pela noite trazendo luz com sua respiração de fogo. Essa respiração fez aparecer a arte da magia e a ilusão da mudança de forma. O dragão de tão obstinado de provar o seu poder acabou perdendo o poder da magia e passou a ter a forma da Libélula carregando a mensagem de sabedoria e inteligência, e a comunicação com o mundo Elemental.
Dizem também que a libélula tem significado Místico como representante dos espíritos bons que velam pelos vivos na terra...

Pensando e lendo tudo isso, não tive duvida, como hoje eu me aceito sendo assim, claro que nem todos os dias, quero viver ainda mais tendo uma libélula desenhada em mim...


Corre- corre... horário marcado e prova no MBA.
Mas nossa vontade em saber o que nos espera é maior...

Entre informações "bombásticas" e a energia fortíssima fluindo,
conheci melhor alguém...

Momentos mais do que especiais, felizes, engraçados e claro, imprevisíveis...

Saia branca manchada de coca-cola, Big Mac na faixa, cigarros e o transito... 

Hoje tive a oportunidade de conhecer alguém muito profundamente, 
e agradeci por não dar ouvidos aos outros,
por permitir que minha intuição e meu senso de justiça falasse mais alto.

Dizem que amigo não se escolhe, se reencontra.

Tenho certeza disso...

Amizade para mim é algo sem explicação... 
um sentimento único e as vezes mais forte do que um amor...

Nem todos os amigos permanecem ao nosso lado durante toda a vida,
por mais que desejamos isso.
Outros sim, temos a graça que eles nos acompanhem durante toda nossa jornada.
E tem ainda os amigos que surgem em um momento especifico
para iluminar nossos caminhos e escolhas...

Quero agradecer hoje especificamente a Deus, 
por me presentear com mais uma pessoa maravilhosa e surpreendente.
Poucas vezes olhei para alguém e vi apenas bondade, 
nenhum sentimento de raiva ou mal querer, 
mesmo quando esses fossem merecidos.

Enfim, hoje sai de casa em busca de saber sobre meu futuro,
e ganhei muito mais...
um presente duplamente maravilhoso.

"Gosto de você!!!!!"


domingo, 20 de fevereiro de 2011

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Nada mudou...

Por mais que me esforce,
por mais que tente
Troco as pessoas,
mudo os lugares
alterno as opções...

e tudo inevitavelmente
continua terrivelmente igual

sinto meu corpo mais calmo
minha alma mais alegre

mais ainda falta...
falta aquilo que me incomoda,
que me contorce e entorpece
que me desmorona...

eu fujo,
eu corro...
mas sempre me pega...

e me faz relembrar
o quanto essa busca
me cansa

eu não quero mais...
quero assim,
sem tirar nem por

sou feliz assim

talvez não seja o que espero...
mas realizo o que desejo..

me deixa tentar...

te peço,
apenas um prazo,
pode calcular...

quero um prazo pra viver
como eu quero
sem  futuro,
sem sonhos
somente hoje..

se não funcionar,
prometo retroceder
e continuar no silencio de minha alma
buscando insistentemente
o que sinceramente nunca descobri
o que é...

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011


É só isso que espero...
sem pensar...
apenas me permitir
sentir a energia
entrando em minha pele
e misteriosamente
causar mudanças em mim...

Sorrisos soltos atravessam 
o silêncio de nossas almas
com o toque de nossas mãos

corpos quentes
buscam se encontrar...

a loucura escorre por mim
na insensata busca de sentir

você me toca,
me toma
me transforma e me define

não me lembrava mais
a  sensação de desejo
de ardor em minha pele

o fogo queimando
sua boca sussurrando
aumentando meu prazer...

sentimentos misturados...
não estamos falando ainda de sentimentos...
mas também não apenas de tesão
Encontro de peles
a sensação aliada a uma vontade incontrolavel
de não querer soltar
de não desejar sair...

 e a loucura ainda escorrendo
meus cabelos embaraçados
seu corpo suado

a sensação unica
de voar para fora de mim
junto com você

não me importo como chamar
nao me importo com o que pensar
mas tenho a certeza
quero sentir mais uma vez...

NM


quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Hoje quero falar...
Não me peça para fazer silencio
Quero gritar uma frase 
traduzindo um pedido de socorro
Quero correr... quero fugir...quero pular...
mas não quero cair..

Tenho medo,
tenho muito medo, 
medo do escuro da minha alma, quando estou só

Medo das dores de orgulho, da impaciência 
De sentimentos que não posso controlar...

Estou com medo demais para seguir em frente
e insegura demais para ficar no mesmo lugar...

Quero gritar... quero fazer barulho
Quero espantar tudo aquilo que me faz pensar...

Não quero mais pensar...
Quero ser normal... 
Não quero pensar no amanhã
quero viver um minuto de cada vez

Quero a tranqüilidade daqueles
que já sabem sua hora de partir
quero me deixar levar,
quero apenas me manter viva
e respirar...

Quero aprender a viver...
Viver cada emoção
Aprender que quando estou feliz
não preciso chorar,
por medo de perder o que sinto...

Quero aprender a chorar,
sabendo que nenhuma dor
tem a eternidade enraizada
em minhas lágrimas

Quero gostar do sol
quando queimar minha pele
e dançar na chuva,
sem me preocupar
com a conseqüência de uma pneumonia...

Quero perder o medo...
mas sem me machucar...
Preciso entender e aceitar
a coragem de arriscar,
de apenas me jogar...

Quero aprender a viver
Sem saber quanto tempo
minha vida vai durar...

NM

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

AI, AI, AI, AI

Diário de uma perereca depilada



Meninas,
Recebi de uma amiga e achei sensacional... expressa exatamente o que passamos na hora da depilação, e inexplicavelmente passamos por isso todos os meses...
Vai entender as mulheres...rs


"Tenta sim. Vai ficar lindo."

Foi assim que decidi, por livre e espontânea pressão de amigas, me render à depilação na virilha. Falaram que eu ia me sentir dez quilos mais leve, mas acho que pentelho não pesa tanto assim.
Disseram que meu namorado ia amar, que eu nunca mais ia querer outra coisa.
Eu imaginava que ia doer porque elas ao menos me avisaram que isso aconteceria.
Mas não esperava que por trás disso, e bota por trás nisso, havia toda uma indústria pornô-ginecológica-estética.
- Oi, queria marcar depilação com a Penélope.
- Vai depilar o quê?
- Virilha.
- Normal ou cavada?
Parei aí. Eu lá sabia o que seria uma virilha cavada. Mas já que era pra fazer, quis fazer direito.
- Cavada mesmo.
- Amanhã, às.... Deixa eu ver...13h?
- Ok. Marcado.
Chegou o dia em que perderia dez quilos. Almocei coisas leves porque sabia lá o que me esperava, coloquei roupas bonitas, assim, pra ficar chique. Escolhi uma calcinha apresentável. E lá fui.
Assim que cheguei, Penélope estava esperando. Moça alta, mulata, bonitona. Oba, vou ficar que nem ela, legal.
Pediu que eu a seguisse até o local onde o ritual seria realizado.
Saímos da sala de espera e logo entrei num longo corredor. De um lado a parede e do outro, várias cortinas brancas. Por trás delas ouvia gemidos, gritos, conversas.

Uma mistura de Calígula com O Albergue.
Já senti um frio na barriga ali mesmo, sem desabotoar nem um botão. Eis que chegamos ao nosso cantinho: uma maca, cercada de cortinas.
- Querida, pode deitar.
Tirei a calça e, timidamente, fiquei lá estirada de calcinha na maca.
Mas a Penélope mal olhou pra mim. Virou de costas e ficou de frente pra uma mesinha. Ali estavam os aparelhos de tortura.
Vi coisas estranhas. Uma panela, uma máquina de cortar cabelo, uma pinça.
Meu Deus, era O Albergue mesmo.
De repente, ela vem com um barbante na mão. Fingi que era natural e sabia o que ela faria com aquilo, mas fiquei surpresa quando ela passou a cordinha pelas laterais da calcinha e a amarrou bem forte.
- Quer bem cavada?
- É... é, isso.
Penélope, então, deixou a calcinha tampando apenas uma fina faixa da Abigail, nome carinhoso de meu órgão, esqueci de apresentar antes.
- Os pêlos estão altos demais. Vou cortar um pouco, senão vai doer mais ainda.
- Ah, sim, claro.
Claro nada, não entendia p-o-r-r-a nenhuma do que ela fazia. Mas confiei.
De repente, ela volta da mesinha de tortura com uma espátula melada de um líquido viscoso e quente (via pela fumaça).
- Pode abrir as pernas.
- Assim?
- Não, querida. Que nem borboleta, sabe? Dobra os joelhos e depois joga cada perna pra um lado.
- Ar-re-ga-nha-da, né?
Ela riu. Que situação.
E então, Pê passou a primeira camada de cera quente em minha virilha virgem.
Gostoso, quentinho, agradável. Até a hora de puxar.
Foi rápido e fatal. Achei que toda a pele de meu corpo tivesse saído, que apenas minha ossada havia sobrado na maca.
Não tive coragem de olhar. Achei que havia sangue jorrando até o teto.
Até procurei minha bolsa com os olhos, já cogitando a possibilidade de ligar para o Samu.
Tudo isso buscando me concentrar em minha expressão, para fingir que era tudo supernatural.
Penélope perguntou se estava tudo bem quando me notou roxa. Eu havia esquecido de respirar. Tinha medo de que doesse mais.
- Tudo ótimo. E você?
Ela riu de novo como quem pensa "que garota estranha". Mas deve ter aprendido a ser simpática para manter clientes.
O processo medieval continuou. A cada puxada eu tinha vontade de espancar Penélope. Lembrava de minhas amigas recomendando a depilação e imaginava que era tudo uma grande sacanagem, só pra me fazer sofrer.
Todas recomendam a todas porque se cansam de sofrer sozinhas.
- Quer que tire dos lábios?
- Não, eu quero só virilha, bigode não..
- Não, querida, os lábios dela aqui ó.
Não, não, pára tudo. Depilar os tais grandes lábios? Putz, que idéia.
Mas topei. Quem está na maca tem que se fuder mesmo.
- Ah, arranca aí. Faz isso valer a pena, por favor.
Não bastasse minha condição, a depiladora do lado invade o cafofinho de Penélope e dá uma conferida na Abigail.
- Olha, tá ficando linda essa depilação. Menina, mas tá cheio de
encravado aqui. Olha de perto.
Se tivesse sobrado algum pen-te-lhi-nho, ele teria balançado com a respiração das duas. Estavam bem perto dali.
Cerrei os olhos e pedi que fosse um pesadelo. "Me leva daqui, Deus, me teletransporta". Só voltei à terra quando entre uns blá-blá-blás ouvi a palavra pinça.
- Vou dar uma pinçada aqui porque ficaram um pelinhos, tá?
- Pode pinçar, tá tudo dormente mesmo, tô sentindo nada.
Estava enganada.
Senti cada picadinha daquela pinça filha da mãe arrancar cabelinhos resistentes da pele já dolorida. E quis matá-la. Mas mal sabia que o motivo para isso ainda estava por vir.
- Vamos ficar de lado agora?
- Hein?
- Deitar de lado pra fazer a parte cavada.
Pior não podia ficar. Obedeci a Penélope. Deitei de ladinho e fiquei esperando novas ordens.
- Segura sua bunda aqui?
- Hein?
- Essa banda aqui de cima, puxa ela pra afastar da outra banda.
Tive vontade de chorar. Eu não podia ver o que Pê via. Mas ela estava de cara para ele, o "olho que nada vê". Quantos haviam visto, à luz do dia,
aquela cena? Nem minha ginecologista. Quis chorar, gritar, pei-dar na cara dela, como se pudesse envenená-la. Fiquei pensando nela acordando à noite com um pesadelo. O marido perguntaria:
- Tudo bem, Pê?
- Sim... sonhei de novo com o c-u de uma cliente.
Mas de repente fui novamente trazida para a realidade. Senti o aconchego falso da cera quente besuntando meu Twin Peaks.
Não sabia se ficava com mais medo da puxada ou com vergonha da situação.
Sei que ela deve ver mil c-us por dia. Aliás, isso até alivia minha
situação. Por que ela lembraria justamente do meu entre tantos? E aí me veio o pensamento: peraí, mas tem cabelo lá? Fui impedida de desfiar o questionamento. Pê puxou a cera. Achei que a bun-da tivesse ido toda
embora. Num puxão só, Pê arrancou qualquer coisa que tivesse ali. Com certeza não havia nem uma preguinha mais pra contar a história. Mordia o travesseiro e grunhia ao mesmo tempo. Sons guturais, xin-ga-men-tos, preces, tudo junto.
- Vira agora do outro lado.
Por-ra.. Por que não arrancou tudo de uma vez? Virei e segurei novamente a bandinha. E então, piora. A broaca da salinha do lado novamente abre a cortina.
- Penélope empresta um chumaço de algodão?
Apenas uma lágrima solitária escorreu de meus olhos. Era dor demais, vergonha demais. Aquilo não fazia sentido. Estava me depilando pra quem?
Ninguém ia ver o tobinha tão de perto daquele jeito. Só mesmo Penélope.
E agora a vizinha inconveniente.
- Terminamos. Pode virar que vou passar maquininha.
- Máquina de quê?!
- Pra deixar ela com o pêlo baixinho, que nem campo de futebol.
- Dói?
- Dói nada.
- Tá, passa essa me-rda...
- Baixa a calcinha, por favor.
Foram dois segundos de choque extremo. Baixe a calcinha, como alguém fala isso sem antes pegar no peitinho? Mas o choque foi substituído por uma total redenção.
Ela viu tudo, da perereca ao c-u. O que seria baixar a calcinha? E essa
parte não doeu mesmo, foi até bem agradável.
- Prontinha. Posso passar um talco?
- Pode, vai lá, deixa a bicha grisalha.
- Tá linda! Pode namorar muito agora.
Namorar...namorar... eu estava com sede de vingança.

Admito que o resultado é bonito, lisinho, sedoso. Mas doía e incomodava demais. Queria matar minhas amigas. Queria virar feminista, morrer peluda, protestar contra isso. Queria fazer passeatas, criar uma lei antidepilação cavada e matar o primeiro homem que ver e não comentar absolutamente nada.!!! Não fiz nada disso... Um mês depois...
- Normal ou cavada?
Coisas de perereca, vai entender...Clique aqui com o botão direito do mouse para baixar imagens. Para ajudar a proteger sua privacidade, o Outlook impediu o download automático desta imagem da Internet.
Smiley mostrando a
                                          língua

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Uma vida de mozaicos



Quando a escolha é nossa
 o difícil é saber qual pedaço encaixar primeiro
e qual simplesmente devemos descartar...

Nem todos os pedaços vão servir 
para o efeito final

Mas existem aqueles que brilham tanto
Iluminam tudo ao redor
e esses são os mais difíceis
de desprezar...

NM

Colcha de retalhos


Sentimentos soltos, 
espalhados pelo meu colchão...
coberto por uma colcha,
sim uma colcha de retalhos...

Retalhos feitos de tudo que sobrou
Não há nada novo

Ainda lembro de cada pedaço...
de todos os sorrisos e lágrimas 
para finalizar a construção...

É certo que não acabou...
ainda há muito por vir...
muitos sentimentos para escrever,
sentir, tecer e desenhar...

Os remendos são os que machucam...
Eles representam tudo aquilo que se foi
misturados com a minha vontade insana
de querer transformá-los em presente...
Em sonhar que posso usar suas fibras
para que magicamente deixe de ser apenas um
pedaço que sobrou de algo bom...

A vida é uma coleção de retalhos...
Coloridos, esgarçados, estampados...
Cada momento, cada pessoa, cada emoção
e sentimento
transformam-se em pedaços de pano,
cicatrizes...
que a vida se encarrega de ir costurando...

Ainda não sei se minha colcha no final
terá retalhos tão remendados
que não sobre espaço para 
o algo novo...

Apenas permito que tudo 
que seja costurado nela
tenha a intensidade de tudo que vivo 
aliado a esperança de poeticamente
construir algo que além de me esquentar
me faça sorrir...


NM

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Momentos longos, intermináveis...


Já dizia a canção...
"tudo muda o tempo todo no mundo"
E acho que é isso, mudar, mudando... mudanças


Não se pode viver sem esperança... 
A alma precisa de sonhos para sorrir


Vou dançando, seguindo...
Sorrindo com o sol, 
chorando com as estrelas...


Tudo é válido... 


As lágrimas fazem com que as estrelas
pareçam mais próxima, 
e os sorrisos me fazem acreditar 
que posso tocar o sol, sem me queimar...


Conquistas e perdas... 
tudo envolvido em uma só estrofe...
Dá para misturar...


NM

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Pensamentos soltos após o sábado a noite...

A criação desse Blog foi um mix de desejos, entre o abrir minha alma e o permitir a expressão dos meus pensamentos, frases e imagens, traduzindo a forma real como vejo e sinto todos os momentos em que vivo...


Faço por mim... é uma maneira de me sentir viva... de me sentir materializada... mas penso em você que possa ler, e de repente, no acaso que não existe, ao ler algo que possa fazer algum significado, descubra que somente em você estão todas as respostas, para todas as perguntas que possa ter...


Enfim... ontem fiquei pensando sobre os homens... esses seres estranhos, que assumem um papel quase que fundamental na vida de algumas mulheres... me incluo nelas, apesar de não gostar dessa afirmação...


Esses seres que de inigmáticos não tem nada, pois na maioria das vezes são tão previsiveis, tem mudado a forma como vemos o mundo, mudam o humor que iremos ter no dia... decidem como algumas de nossas noites vão terminar...


Não sei se minha visão é distorcida, mas pelos meus relacionamentos de amizades, vejo que a maioria das pessoas que convivo, agem assim... e me incluo nessa...


Passamos horas conversando sobre eles, tentando entender o porque de certas atitudes, o porque do porque...


Obvio que não cheguei a uma conclusão, talvez precisasse de anos de terapia para entender todos os relacionamentos que vivi, espero que consiga contar um pouco de cada um deles, pois com certeza contribuiram imensamente para me transformar no que sou hoje... mas continuando, não tive conclusão, mas como qualquer boa reflexão, gera um resultado... cheguei em um, que sinceramente não sei se é o certo, ou errado e se vou acreditar nele no sabado que vem...


Mas, fiquei pensando sobre mim, sobre todos os momentos que fico em casa sozinha ou quando saio para balada, bar ou coisa assim... 


Eu busco minha felicidade... e hoje sei que a felicidade não é ser, é estar... 


Vivo momentos de extrema felicidade e momentos, onde verdadeiramente não a encontro...  e hoje sei que não vai ser um relacionamento que me trará essa felicidade, mas mesmo assim, ainda quero ter um...


Penso que entender o porque ele não me ligou, o porque ele não voltou... o porque ele sumiu... não vai mudar o rumo das coisas... existem coisas que apenas não são... e existem mesmo e não são mesmo... existem peças que não são do nosso quebra-cabeça da vida... podemos tentar tirar um pedacinho, recortar, moldar... mas ela sempre vai ser uma peça diferente e que não se encaixa... e por diversas vezes, posso apostar que a peça que se encaixa estava ali... mas na nossa real teimosia em "encaixar" a que cismamos que era a "tal" peça perfeita que faltava não enxergamos a que poderia encaixar sem termos que moldar... até que um dia a peça que achavamos ser a perfeita cai e desmorona, e damos conta de que ela não ficaria ali mesmo, pois estava presa por ideais e crenças, mas inevitavelmente ela iria cair...


O que quero expressar, é que tudo acontece no momento certo... e falo de tudo mesmo... no momento que nos permitimos... viver é evoluir, e amar... ahhh amar... amar é permitir que os anjos nos mostrem os caminhos mais intensos, por vezes doloridos, por outras serenos... 


Amar dói e dói de verdade... sangra... mas recompensa, liberta, ilumina...


Tenho tentado estar feliz em diversos momentos, sem contexto, sem explicação... valorizar a brisa do mar, o cheiro da montanha, a companhia de amigos, as brigas em familia...


Busco me amar, me aceitar e acreditar que alguém também fará isso... que existe a tal "tampa da panela", que para todo um, tem o dois... tento não me fechar... prefiro não entender...


Descobri momentaneamente que não tenho respostas para as pessoas que não vivem dentro de mim, e será inutil buscá-las, pois cada pessoa vive seu momento e generalizar também seria tolice... 


Hoje prefiro acreditar que as folhas que caiem ao meu redor é porque eu estou pronta para apanhá-las, as que ainda não cairiam é porque esperam o momento onde eu além de apanhá-las possa fazer algo com elas...


NM